Combate ao mosquito Aedes aegypti é obrigação de todos

Combate ao mosquito Aedes aegypti é obrigação de todos

Dos 399 municípios do Paraná, 304 possuem registros de dengue

Só em 2015 o Brasil registou mais de 1,5 milhão de casos de dengue. O número é quase o triplo de 2014. E para piorar novas doenças foram relacionadas ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, como a da febre chikungunya e zika vírus – relacionada ao surto de microcefalia no país – foram relacionadas ao mosquito Aedes aegypti. Por isso a importância de combater a proliferação do mosquito não se restringe apenas à dengue.

O último informe técnico divulgado pela Secretaria estadual de Saúde aponta que aumentou de 1.726 para 1.956 o número total de casos de dengue no Paraná. Dos 399 municípios do Estado, 304 já apresentam notificações da doença. Cidades como Paranaguá, com 561 casos, Londrina, com 290, e Foz do Iguaçu, que atualmente tem 290 casos de dengue estão em alerta. Ao todo, 25 pessoas já morreram da doença no estado.

Os sintomas da dengue, da febre chikungunyia e do zika vírus são parecidos. Geralmente, o paciente apresenta febre, dor de cabeça, dores no corpo e nas articulações, além de manchas na pele. A preocupação das autoridades sanitárias é com a possibilidade de uma tríplice epidemia, com ocorrências simultâneas das três doenças.

Cuidados

Com a chegada do verão, temperaturas mais altas e o clima chuvoso, o ambiente se torna mais propicio ao acúmulo de água e o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, a zika e a chikungunya.

A única maneira de combater essas doenças é evitar que o mosquito nasça. Para tanto cuidar do seu imóvel é fundamental. Por isso, o morador deve verificar se não está abandonando recipientes que possam acumular água e servir como criadouro para as larvas do mosquito. É recomendado prestar atenção em espaços que nem sempre são lembrados, como bromélias, ocos de árvores, ralos e coletores de água da geladeira/ar condicionado.

Apesar de sintomas similares, as doenças são diferentes. Veja a seguir os sintomas de cada uma delas:

Dengue

Sintomas: Febre alta (geralmente dura de 2 a 7 dias), dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele. Nos casos graves, o doente também pode ter sangramentos (nariz, gengivas), dor abdominal, vômitos persistentes, sonolência, irritabilidade, hipotensão e tontura. Em casos extremos, a dengue pode matar.

Tratamento: A pessoa com sintomas da dengue deve procurar atendimento médico. As recomendações são ficar de repouso e ingerir bastante líquido. Não existem remédios contra a dengue. Caso apareçam os sintomas da versão mais grave da doença, é importante procurar um médico novamente.

Chikungunya

Sintomas: O principal sintoma é a dor nas articulações de pés e mãos, que é mais intensa do que nos quadros de dengue. Além disso, também são sintomas: febre repentina acima de 39 graus, dor de cabeça, dor nos músculos e manchas vermelhas na pele. Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas. Segundo o Ministério da Saúde, as mortes são raras.

Tratamento: Como no caso da dengue, não há tratamento específico. É preciso ficar de repouso e consumir bastante líquido. Não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia.

Zika vírus

Sintomas: O vírus não é tão forte quanto o da dengue ou da chikungunya e os pacientes apresentam um quadro alérgico. Os sintomas, porém, são parecidos com os das doenças “primas”: febre, dores e manchas no corpo. Quem é infectado pelo zika também pode apresentar diarreia e sinais de conjuntivite.

Tratamento: Assim como nas outras viroses, o tratamento consiste em repouso, ingestão de líquidos e remédios que aliviem os sintomas e que não contenham AAS.