Farol do Saber do Boqueirão agora tem espaço maker para estimular a criação

Os principais elementos destes pólos são a criação, colaboração, o pensamento crítico e a autonomia dos estudantes

Farol do Saber e Inovação Mário Quintana, localizado junto à Escola Municipal Wenceslau Braz, no Boqueirão.

Farol do Saber e Inovação Mário Quintana, localizado junto à Escola Municipal Wenceslau Braz, no Boqueirão.

O número 588 da Rua O Brasil para Cristo, no Boqueirão, agora reúne no mesmo espaço a literatura e a cultura da inovação. O prefeito Rafael Greca e a secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila, entregaram o espaço maker implantado no Farol do Saber e Inovação Mário Quintana, junto à Escola Municipal Wenceslau Braz.

Estudantes e comunidade agora tem à disposição laboratório de tecnologia com espaço para a criação e produção usando impressora 3D.
Inaugurado em março de 1995, durante a primeira gestão de Rafael Greca como prefeito de Curitiba, o Farol homenageia o poeta Mário de Miranda Quintana. Em dezembro do ano passado, toda a estrutura foi revitalizada e transformada para sediar o sexto Farol do Saber e Inovação da cidade, com espaço e equipamentos para realização de oficinas de tecnologia e criatividade.

“Mario Quintana, poeta gaúcho, amava a literatura e o Brasil. Agora o seu Farol, além dos livros e da internet pública, tem uma fábrica de brinquedos, um espaço para os curitibinhas desenharem e produzirem seus brinquedos”, disse o prefeito.

Greca foi recebido pela banda marcial formada por estudantes da escola e falou sobre a importância de estarem preparados para a inovação. “O mundo terá cada vez mais mudanças, mais inovações. As profissões atuais serão modificadas e outras irão surgir das tecnologias e a escola precisa preparar os curitibinhas para esse mundo novo.”

Estudantes se revezaram na apresentação de poemas de Quintana. Arthur Quintana, 6 anos, parente distante do poeta homenageado, declamou um dos versos. “Essa é uma geração que vem mostrar para a gente como deve ser a escola a século 21. Quando colocamos ferramentas à disposição eles nos apontam o que é de seu interesse, como podem se superar e fortalecer, a partir da educação, a si e a toda a comunidade”, disse a secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila.

Tatu Primitivo e o Crocodilliano Terrestre00235969

Os curitibinhas criaram um minissítio arqueológico no pátio da escola, com fósseis e espécies de animais pré-históricos construídos no espaço maker com massinhas de modelar e materiais de baixo custo. O objetivo era reproduzir fósseis e espécies de animais que viveram em Curitiba há mais de 40 milhões de anos. “Escolhemos fazer o Tatu Primitivo e o Crocodilliano Terrestre que eram bem desafiadores”, contou o estudante Brayan.

Para Carlos, participar do projeto fez ele aprender ainda mais sobre dinossauros, tema que sempre gostou. “Foi educativo e muito legal”, disse o estudante.
Para que o assunto ultrapassasse os muros da escola, criaram um folder contando como os fósseis foram encontrados, com texto e ilustrações produzidas pela estudante Ketlilyn Cunha. Usando a impressora 3D criaram carimbos, com desenhos de dinossauros para, assim como fazem os fósseis, servirem de registro histórico dos animais extintos. O trabalho foi orientado pela professora de Tecnologias e Mídias Digitais, Solange Pauluk.

  • Vale do Pinhão
A Prefeitura tem nos Faróis do Saber e Inovação o investimento em projetos, pesquisas, ideias e protagonismo. Os principais elementos destes pólos de disseminação da cultura maker são a criação, colaboração, o pensamento crítico e a autonomia dos estudantes, que testam conhecimentos e habilidades que incorporam o conceito do Vale do Pinhão, o ecossistema de inovação da cidade.

Sobre editor