Paraná reduz 13,4% o número de homicídios
Dos 399 municípios do Paraná, 43% (172) não registraram homicídios este ano, e 29,5% (118) registraram apenas um ou dois casos. Foto: Sesp

Paraná reduz 13,4% o número de homicídios

Foram 227 homicídios a menos em todo o Estado se comparado os três primeiros trimestres de cada ano (em 2017 foram 1.691 registros, contra 1.464 em 2018)

O número de homicídios dolosos (com intenção de matar) reduziu 13,4% em todo o Paraná no período de janeiro a setembro de 2018, comparado com o mesmo período do ano anterior. Foram 227 homicídios a menos em todo o Estado nos três primeiros trimestres do ano. Em 2017 foram 1.691 registros, contra 1.464 em 2018.

Dos 399 municípios do Paraná, 43% (172) não registraram homicídios de janeiro a setembro deste ano, e 29,5% (118) registraram apenas um ou dois homicídios no período. Os números foram divulgados pela Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape) da Secretaria de Estado da Segurança Pública.

Para o Secretário Estadual da Segurança Pública, Julio Reis, um dos motivos desta importante redução criminal é a integração entre todas as forças de segurança do Estado. Segundo ele, um conjunto de fatores desde policiamento ostensivo mais eficiente, a Polícia Militar atuando com muito mais ênfase, um aperfeiçoamento no trabalho de investigação que é realizado pela Polícia Civil, com capacitações na Escola de Polícia para quem atua nas investigações de homicídios, uma Polícia Científica com novos médicos legistas que foram contratados este ano, novos IMLs, como o de Curitiba, este conjunto inteiro fez com que este número de homicídios tivesse esta importante redução que está levando o Estado a ter o menor número de homicídios dos últimos 11 anos. “Esta sinergia entre as instituições, PM, PC e Científica, tem dado excelente resultado aqui no Paraná”, afirmou o secretário.

Investimentos

O delegado-geral da Polícia Civil, Naylor Robert de Lima, disse que a queda nos índices se deve também aos investimentos do Governo do Estado para a segurança pública. “Com relação à Polícia Judiciária, acreditamos que o reflexo direto nos bons números são decorrentes dos estímulos aos policiais civis que sentiram a boa intenção do Governo do Estado na estruturação na área investigativa de homicídios”, disse.

Ele citou também a criação da Divisão de Homicídios na Capital, Delegacias de Homicídios nas maiores subdivisões do interior do Estado e demais investimentos, entre os quais, talvez o principal, na capacitação do profissional da área.