Prova Curitiba subsidia planos de trabalho da Educação
Alunos em sala de aula na Escola Municipal Guilherme Butler no Bairro Vila Hauer. Foto: Daniel Castellano / SMCS

Prova Curitiba subsidia planos de trabalho da Educação

As equipes pedagógicas dos dez Núcleos Regionais de Educação iniciaram nesta semana a elaboração de planos de trabalho para a melhoria nas políticas públicas da educação. As atividades têm por base os resultados obtidos por meio da Prova Curitiba, aplicada a 70 mil estudantes do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental, entre os dias 19 e 21 de março. A prova foi aplicada pelo segundo ano consecutivo.

“A Prova Curitiba é uma ferramenta interna de planejamento. Com o resultado, são identificados pontos fortes e as áreas em que é necessário reforçar ações para garantir a qualidade do ensino no município”, explica a secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila. “Foi desenvolvida de maneira inédita pelo município, no ano passado, e nossa iniciativa pioneira serviu de exemplo para o Estado, que também criou uma ferramenta semelhante”, lembra a secretária.

De acordo com a superintendente de Gestão Educacional, Elisângela Mantagute, a secretaria segue um cronograma de ações para implementar os planos de trabalho. “Logo após a aplicação, iniciamos com um minucioso trabalho estatístico dos dados. Com base na análise desses dados estamos elaborando os novos planos de trabalho. As equipes técnicas da secretaria trabalham em sintonia com os núcleos, prestando todo apoio necessário”, destaca.

Depois que as escolas organizarem seus planos de trabalho, eles serão analisados pela equipe de Currículo. Ao final deste ano, haverá um seminário para apresentação dos resultados. O evento está agendado para dia 5 de novembro. “Assim teremos um acompanhamento e avaliação eficiente do que está sendo realizado em cada escola”, comenta Elisângela.

Estratégias e formação

A Prova Curitiba aponta questões sobre planejamento e currículo, além de proporcionar reflexões sobre metodologias e estratégias de ensino. Entre os resultados também está a elaboração de ações formativas para os professores. São cursos, oficinas e modelos diferenciados de formação desenvolvidos que foram inseridos no Veredas Formativas, o programa voltado ao aprimoramento dos profissionais da educação.

Na prática

A pedagoga e professora Sílvia Oleinik Schmidt, da Escola Guilherme Butler, no Boqueirão, decidiu investir na autonomia dos seus estudantes da turma de 5º ano, após avaliar os resultados da Prova Curitiba deste ano. “Percebi que eles estavam aprendendo matemática, mas muito dependentes de mim na hora que surgiam dúvidas, pois eu ajudava a resolver os problemas, pensava junto com eles. Comecei a deixá-los pensar mais sozinhos, e já vemos melhora”, analisa Sílvia. “Essa pequena alteração na metodologia em sala de aula trouxe muitos benefícios, eles estão mais eficientes na hora de resolver problemas sozinhos”, comenta a professora.